Reportagens
Academia dos esquecidos

A musa impassível


Considerada a maior poetisa da língua portuguesa em seu tempo, Francisca Júlia foi uma fiel representante do Parnasianismo no Brasil, ilustrando o respeito à forma e à impassibilidade exigido pelo movimento


J. A. Ramos*

Como já havia colocado na edição anterior, o Brasil, ainda na meia idade em sua história literária, tem-se dado ao luxo de legar ao esquecimento grandes nomes, personagens de suma importância para a nossa literatura, para a nossa história geral, em vista de a literatura universalizar-se e integrar-se a outras disciplinas. Tenho provado o que escrevo, sempre trazendo à tona nomes importantes no cenário literário nacional e, infelizmente, esquecidos pelos críticos literários, mídia e professores, pois que sequer no cenário escolar ou acadêmico são citados.
Desta feita, trago à luz, não somente um importante personagem na nossa literatura, mas uma musa, uma inspiração poética, um dos maiores exemplos de uma época ou fase literária. Refiro-me a Francisca Júlia da Silva, ou simplesmente Francisca Júlia, como era chamada, ou, ainda e finalmente, A musa Impassível, como foi carinhosamente codinominada em função do soneto "Musa Impassível", de sua autoria.
Considerada uma das precursoras da literatura feminina no Brasil, a poetisa Francisca Júlia foi aclamada por todos os ícones da literatura da época, comoJoão Ribeiro, Antonio Cândido, Olavo Bilac, Coelho Neto, Vicente de Carvalho e Machado de Assis desde o lançamento de Mármores, seu primeiro livro de sonetos, em 1895.
Nessa oportunidade ela já havia publicado seu primeiro poema em 1891, no jornal O Estado de S. Paulo. Havia colaborado também com importantes periódicos como Correio Paulistano e Diário Popular, e os cariocas: O Álbum, de Arthur Azevedo, e A Semana.
Em 1899, juntamente com o irmão Júlio César, escreve o Livro da Infância, editado em contos e versos, obra didática que logo foi adotada pelo Governo de São Paulo em escolas do primeiro grau e hoje de domínio público. A intenção da autora era de iniciar a literatura infantil, coisa inexistente na época.

soneto "Musa Impassível
Quando o soneto foi publicado no jornal A Semana, houve grande polêmica, pois o crítico João Ribeiro não conseguia acreditar que uma mulher fosse a autora dos versos, que seguem:

Musa Impassível
(Francisca Júlia)

Musa! um gesto sequer
de dor ou de sincero
Luto jamais te afeie
o cândido semblante!
Diante de Jó, conserva
o mesmo orgulho; e diante
De um morto, o mesmo
olhar e sobrecenho austero.

Em teus olhos não quero
a lágrima; não quero
Em tua boca o suave
e idílico descante.
Celebra ora um fantasma
anguiforme de Dante,
Ora o vulto marcial de
um guerreiro de Homero.

Dá-me o hemistíquio
d'ouro, a imagem atrativa;
A rima, cujo som, de uma
harmonia crebra,
Cante aos ouvidos d'alma;
a estrofe limpa e viva;

Versos que lembrem,
com seus bárbaros ruídos,
Ora o áspero rumor de um
calhau que se quebra,
Ora o surdo rumor
de mármores partidos.

OSTRACISMO
Francisca Júlia é pouco conhecida em nossos dias. Seus livros já se esgotaram há muito tempo e ela é raramente citada mesmo nos cursos de literatura, uma vez que o parnaso brasileiro era representado pelo chamado sexo forte, a tríade formada pelos escritores Olavo Bilac, Vicente de Carvalho e Alberto de Oliveira.
Agora pergunto eu: "Ela não faria parte deste grupo se fosse homem?".
A poetisa desapareceu do cenário cultural tão prematuramente como deixou a vida. Considerada a maior poetisa da língua portuguesa em seu tempo, Francisca Julia foi a mais fiel representante do Parnasianismo no Brasil, e sua obra é um exemplo do respeito à forma e à impassibilidade exigida pelo movimento parnasiano francês. Francisca Júlia é criadora de versos perfeitos. Apesar de o reconhecimento ter sido ofertado a Olavo Bilac, aclamado o "Rei dos poetas Brasileiros", a obra de Francisca Júlia, parnasiana no início da carreira e ao final de sua vida voltada à poesia simbólica e mística, deve ser reconhecida desde àquela época. Seus sonetos estão entre os mais perfeitos da língua portuguesa.
Em 1961, o consagrado crítico Péricles Eugênio da Silva Ramos, considerado o maior estudioso da obra da poetisa, fez a reunião das suas poesias, incluindo muitas inéditas, publicando o livro "Francisca Júlia - Poesias", pela Comissão de Cultura do Estado de S. Paulo, onde apresentou a obra completa da grande poetisa brasileira, separada por tema, além de uma longa biografia e notas introdutórias.

DO NASCIMENTO À MORTE
Francisca Júlia da Silva nasceu na antiga Vila de Xiririca, hoje Eldorado, no Vale do Ribeira, São Paulo. Sua infância foi calma e povoada pelos folguedos infantis. Aprendeu as primeiras letras e os serviços do lar com a mãe, a professora Cecília Isabel da Silva, da qual herdou a profissão. Do pai, Miguel Luso da Silva, advogado provisionado, herdou o amor aos livros e à língua portuguesa.
Em 1909, Francisca Júlia casou-se com o telegrafista Filadelfo Edmundo Munster, da Central do Brasil, natural de Barra Mansa (RJ). A cerimônia, que teve Vicente de Carvalho como padrinho, realizou-se na capela de Lajeado, Capital (SP). Apesar da grande diferença intelectual, Francisca Júlia amava com devoção ao seu esposo, vivendo uma união amorosa e feliz. Nessa ocasião, foi convidada (e gentilmente recusou) a fazer parte da Academia Paulista de Letras, então em vias de ser fundada. Após o casamento, decidiu deixar a poesia de lado e se dedicar apenas ao esposo e ao lar, o que fez por alguns anos.
Retornou às rodas literárias somente em 1915, quando começou a publicar alguns sonetos na revista A Cigarra, de São Paulo. Nessa época, pensava em escrever uma série de sonetos inspirados na moral de Pitágoras, a cujo livro daria o nome de Versos Áureos. Apesar de ter escrito alguns sonetos, não chegou a concretizar esse projeto.

 

PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>
 
 
Conhecimento Prático Língua Portuguesa :: 15/10/14
Estilística e a evolução escrita
Conhecimento Prático Língua Portuguesa :: 15/10/14
Língua e cultura
Conhecimento Prático Língua Portuguesa :: 15/10/14
Classes de palavras

Conhecimento Prático Filosofia :: Reportagens :: Edição 23 - 2010
Mito da Caverna:


Conhecimento Prático Filosofia :: Capa :: Edição 28 - 2011
Hannah Arendt, pensadora da política e da liberdade


Conhecimento Prático Filosofia :: Capa :: Edição 42 - 2013
Trabalho como conceito filosófico


Conhecimento Prático Filosofia :: Idéias :: Edição 37 - 2012
O amor filosófico e o puro prazer



Edição 49

Saiba antes de todos as novidades da revista




Capa
Reportagens
Etimologia
Gramática Tradicional
Ensino
Estante
Retratos

Assine
Anuncie
Expediente
Fale Conosco
Mande sua sugestão
Favoritos


Faça já a sua assinatura!
Conhecimento Prático Filosofia

Assine por 2 anos
12x de R$ 9,80
Assine!
Outras ofertas!
Conhecimento Prático Geografia

Assine por 2 anos
12x de R$
9,80
Assine!
Outras ofertas!
Conhecimento Língua Portuguesa

Assine por 2 anos
12x de R$
9,80
Assine!
Outras ofertas!
Conhecimento Prático Literatura

Assine por 2 anos
12x de R$
9,80
Assine!
Outras ofertas!

  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS